top of page
  • Foto do escritorSobretrilhos

SP - Campinas em 1 hora: veja o preço do bilhete e detalhes do trem previsto para 2031

Projeto ferroviário de passageiros que será concedido à iniciativa privada em novembro será o primeiro de média velocidade do país. Poderá atingir até 150 quilômetros por hora.


Por Ivan Martínez-Vargas

Trem da Linha 7-Rubi da CPTM em fevereiro de 2022 Foto: Governo de São Paulo

Historicamente negligenciado no Brasil, o transporte ferroviário de passageiros entre municípios ganhou uma nova chance no fim do mês passado, quando o governo de São Paulo apresentou o edital de licitação do Trem Intercidades (TIC), que vai ligar a capital paulista a Campinas.


A linha expressa será a primeira de média velocidade no país, mais de uma década depois do frustrado plano de um trem-bala entre Rio e São Paulo. O projeto de R$ 12,5 bilhões é antigo, fez parte das plataformas de campanha dos ex-governadores João Doria e Rodrigo Garcia. O atual, Tarcísio de Freitas, marcou o leilão para para 20 de novembro deste ano.


A previsão é que, em 2031, composições com capacidade para cerca de 800 passageiros em assentos marcados estejam completando o percurso de 96 quilômetros em pouco mais de 60 minutos, a uma velocidade de até 150 quilômetros por hora, com uma única parada em Jundiaí.


De acordo com os estudos do governo paulista, a viagem completa custará no máximo R$ 64,00 por passageiro. Uma passagem rodoviária entre São Paulo e Campinas hoje custa R$ 41,00.


O projeto inclui também o chamado Trem Intermetropolitano (TIM), entre Jundiaí e Campinas, e a revitalização da atual Linha 7-Rubi da CPTM, que hoje faz o percurso entre a estação Brás, no centro de São Paulo, e Jundiaí. Conheça a seguir os detalhes de como serão as novas linhas:


Veja as estações entre SP e Campinas

Projeto dos trens Intercidades (TIC) e Intermetropolitano (TIM) — Foto: Editoria de Arte
  • A viagem do expresso que ligará São Paulo (estação Barra Funda) a Campinas deve durar entre 61 e 64 minutos de acordo com os estudos do governo. O projeto contempla apenas uma parada, em Jundiaí. A velocidade do trem pode chegar a 150 km/h, mas a média será de 96 km/h.

  • A passagem do expresso entre a capital paulista e Campinas custará no máximo R$ 64,00 por passageiro e por trecho, mas há a possibilidade de que haja descontos a passageiros frequentes e outras promoções que tornem o modal mais atrativo. Passagens de ônibus custam hoje R$ 41 entre São Paulo e Campinas.

  • A concessionária poderá oferecer modalidades de assentos diferentes com preços distintos, desde que transporte 800 passageiros por viagem durante a hora e pico, segundo o secretário de Parcerias em Investimentos, Rafael Benini.

  • O Trem Intercidades vai compartilhar a mesma linha hoje operada pela Linha 7-Rubi da CPTM, mas haverá a construção de novas linhas em parte dos trechos. Hoje, a linha 7 divide a mesma linha com trens de carga operados pela MRS Logística, que terá de construir uma nova linha paralela para seus vagões entre Barra Funda e Jundiaí.


Campinas, uma das maiores cidades do interior de São Paulo, terá ligação ferroviária com a capital para passageiros — Foto: Luciano Claudino

Trem Intermetropolitano (TIM): de Jundiaí a Campinas

Chamado de trem parador, o TIM vai compartilhar trilhos com o TIC entre Jundiaí e Campinas. A diferença é que o TIM vai fazer um trajeto de 44,4 quilômetros em cinco estações: Jundiaí, Louveira, Vinhedo, Valinhos e Campinas.


O TIM será mais lento, mas também mais barato. A previsão do governo paulista é que a passagem custe R$ 14,05 por trecho entre Jundiaí e Campinas. O passageiro que viajar de Barra Funda a Campinas nos trens com mais paradas vai pagar R$ 18,45.


Para viabilizar as obras, o governo prevê um aporte para remunerar o investimento de aproximadamente R$ 6 bilhões durante os sete anos em que a concessionária fará as obras. Com isso, o governo estadual vai financiar cerca de 50% dos investimentos do projeto.


O aporte será pago durante o ciclo de investimentos, de sete anos, até 2030. Pago de acordo com o andamento da obra e esses R$ 6 bilhões são aproximadamente 50% do investimento total do projeto, de R$ 12,47 bilhões.


Além disso, o edital prevê pagamentos de contraprestações anuais de cerca de R$ 500 milhões quando a obra for entregue, em 2031, até o fim do contrato. A contraprestação total prevista é de R$ 13,74 bilhões, mas vencerá o leilão o grupo que der o maior desconto de contraprestação.


Fonte: O Globo

bottom of page