Informação e Mobilidade

Novos parceiros sonham com um futuro sobre trilhos

Novos parceiros sonham com um futuro sobre trilhos

Por Dr. Rafael Emilio LopesGPAA

 

O setor Metroferroviário brasileiro possui desde 1999 um grande aliado na solução de problemas relacionados à manutenção bem como a melhoria e modernização dos sistemas de transporte de passageiros. Esse aliado é o GPAA  Grupo Permanente de Autoajuda na Área de Manutenção Metroferroviária.

GPAA foi constituído pelas operadoras metroferroviárias brasileiras tendo como objetivo abordar problemas que promovam ampla discussão técnica das atividades de manutenção, Sua organização envolve as operadoras nacionais e algumas internacionais como o Metrovias de Buenos Aires, Metro de Lisboa, Metro de Medelin,  Metro de Madrid e Ferrovia Oriental da Bolivia.

Porém todo esse importante conteúdo debatido durante ao longo dos anos ficou restrito ao setor. Ou seja o setor acadêmico e formador de profissionais não participava dessa interação entre as operadoras. Isso configura um problema, pois fica a cargo das operadoras fornecer todo o conteúdo operacional necessário aos seus profissionais, já que as Universidades e Escolas técnicas não são detentoras de tal conhecimento prático, tão menos das necessidades sofridas pelo setor. Mas em meados do fim 2014 isso começou a mudar. O GPAA começou a estabelecer parcerias com universidades. Uma dessas universidades é a UNIFEI Campus Itabira.

A Universidade Federal de Itajubá – UNIFEI, foi fundada em 23 de novembro de 1913, com o nome de Instituto Eletrotécnico e Mecânico de Itajubá- IEMI.  Sua denominação foi alterada em 16 de abril de 1968 para Escola Federal de Engenharia de Itajubá- EFEI. Em 1998 aconteceu a expansão dos cursos de graduação ao dar um salto de dois para nove cursos num processo que levou a concretização do projeto de transformação em Universidade em 24 de abril de 2002.

Através da parceria pioneira entre governo local (PMI), setor privado (VALE), Ministério da Educação (MEC) e Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI), foi implantado o Campus Itabira, cujas atividades tiveram início em julho de 2008. A proposta para o Campus Avançado de Itabira é de uma universidade essencialmente inovadora e tecnológica, com ensino e pesquisa voltados às demandas atuais e futuras de mercado, incentivo ao empreendedorismo (incluindo a incubação de empresas) e comprometimento com o desenvolvimento local e regional.

O Campus de Itabira possui nove cursos de engenharia , sendo eles Engenharia Ambiental, Engenharia de Computação, Engenharia de Controle e Automação, Engenharia de Materiais, Engenharia de Produção, Engenharia de Saúde e Segurança, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica e Engenharia da Mobilidade.

A Engenharia da Mobilidade, consiste em  um curso inovador, atual e de grande importância para o desenvolvimento do país. A necessidade por engenheiros nesta nova área do conhecimento surgiu a partir da carência por profissionais que agregassem numa só formação, segmentos diversos do setor de transportes, tais como infraestrutura, planejamento e logística.

No curso, graduam-se Engenheiros que estão aptos a trabalhar com o desenvolvimento de projetos, construção, manutenção e monitoramento de rodovias, ferrovias e estruturas de concreto armado/aço. O Engenheiro da Mobilidade possui conhecimentos em geotécnica, geomática, materiais, técnicas construtivas e projeto geométrico de vias. Além disso, nosso profissional é capaz de planejar a compra de materiais e a contratação de serviços para uma obra, definir cronogramas físico-financeiros e fiscalizar/gerenciar a execução dos serviços, de acordo com critérios e normas técnicas.

Com os conhecimentos da área de Planejamento, o Engenheiro da Mobilidade é capaz de identificar as necessidades de transporte de uma região a partir de características demográficas e padrões de viagem. Assim, o profissional analisa como estas necessidades se alteram com o tempo e propõe melhorias para os sistemas de transporte existentes ou determina a necessidade de implantação de sistemas alternativos.

O Engenheiro da Mobilidade detém conhecimentos da organização dos sistemas de transportes, economia dos transportes, engenharia de tráfego, operação de sistemas de transportes e logística. É responsável pela definição da capacidade de vias e de estratégias operacionais de frotas de veículos para transporte de passageiros e de cargas. Trata-se de um profissional apto, por exemplo, a trabalhar na operação de centros de controle operacionais de órgãos controladores de tráfego, atuando como diferencial estratégico no contexto de um dos principais problemas existentes nos grandes centros.

Logo essa parceria da UNIFEI com o GPAA consiste em um importante passo na consolidação do curso de Engenharia de Mobilidade, pois os assuntos discutidos no forum do GPAA, bem como nos encontros semestrais do grupo, revelam os anseios e necessidades do setor metroferroviário, os quais sem essa parceria seriam desconhecidos pela academia.

A partir desse passo a academia pode então contribuir com soluções para os problemas do setor e com isso refinar o processo de formação dos profissionais que irão compor o mercado no futuro, tanto na engenharia de mobilidade como nas demais engenharias. Como a Universidade reúne em um mesmo espaço todas as engenharias, fica mais fácil gerar soluções integradas.

Além do mais, essas soluções encontradas pelas operadoras podem ser incorporadas no hall de soluções ensinadas aos alunos e com isso manter viva toda a memória tecnológica desenvolvida pelo setor. A partir dessa base de soluções os alunos podem construir, solidamente, novos conhecimentos que irão prover ao setor uma possibilidade de modernização e inovação.

Como a proximidade do setor com a Universidade esta sendo trabalhada, um número maior de soluções viáveis tecnicamente e economicamente, pode ser elaborado continuamente. Isso não só aproxima os dois setores como os coloca em um mesmo mundo, o nosso mundo, gerando oportunidades mil para ambos e um longo horizonte de desenvolvimento.

Publicado na Revista SOBRE TRILHOS – Ano 1 – Edição 2

Professor Adjunto e Coordenador Adjunto do Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Itajubá – Campus Itabira – MG.Dr. Rafael Emilio Lopes

 

sobretrilhos

Revista híbrida com abordagens jornalísticas e técnicas. A circulação é controlada e dirigida a todos os segmentos de transporte de passageiros e logística. Aposta-se em uma linha editorial que vá além dos trilhos, trazendo informações e conceitos sobre infraestrutura, intermodalidade, urbanização e cidades inteligentes.

Top