Informação e Mobilidade

BNDES fará papel de estruturador de projetos de infraestrutura

BNDES fará papel de estruturador de projetos de infraestrutura

bndesA Istoé Dinheiro publicou no último 12 que um dos focos de trabalho do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) será na estruturação dos projetos de infraestrutura, trazendo modelagens robustas ao setor, segundo afirmação de Luciene Machado, superintendente da Área de Saneamento e Transporte.

De acordo com a superintendente, os estudos de viabilidade de projetos traçados no passado traziam uma dose de “otimismo”. “Foram realizados em uma época em que o Brasil vivia em outro contexto e, portanto, não eram resilientes o suficiente para aguentar trancos. Então, como banco de desenvolvimento, nos vemos cada vez mais trabalhando com estruturação de projetos”, disse durante o 15º Fórum Latino-Americano Brasileiro de Liderança Estratégica em Infraestrutura, na capital paulista. Como exemplo, Luciene citou a parceria do banco com o setor de saneamento, com diversos Estados buscando quais seriam os melhores modelos de concessão, PPPs e desestatização.

Luciene avaliou positivamente a Lei 13.448, a antiga MP das Concessões, que estabelece diretrizes gerais para a prorrogação e a relicitação de contratos de parceria dos setores rodoviário, ferroviário e aeroportuário que fazem parte do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). “Esse é um trabalho não terminado, a lei ainda precisa de regulamentação, mas ela traz institutos novos, alternativas ao que seria um término drástico e antecipado das concessões, para que isso fique relegado a casos extremos”.

Sobre a Taxa de Longo Prazo (TLP), Luciene afirmou que a implementação será um grande desafio, após anos trabalhando com a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), uma taxa discricionária e que tinha menor previsibilidade, diz. “Mas entendemos que a modelagem dos projetos pode, em grande medida, contemplar essa nova realidade de custo de capital, para termos projetos sustentáveis.”

sobretrilhos

Revista híbrida com abordagens jornalísticas e técnicas. A circulação é controlada e dirigida a todos os segmentos de transporte de passageiros e logística. Aposta-se em uma linha editorial que vá além dos trilhos, trazendo informações e conceitos sobre infraestrutura, intermodalidade, urbanização e cidades inteligentes.

Top