Informação e Mobilidade

Às vezes cansa, mas não desistiremos – Luiz Edson de Castro Filho

Às vezes cansa, mas não desistiremos – Luiz Edson de Castro Filho

 

Eng Luiz Edson - Presidente ASSEFEm recente viagem às cidades históricas de Minas Gerais (Ouro Preto, Mariana, Tiradentes, São João Del Rei, etc), não pudemos deixar de notar que dentre as atrações oferecidas aos turistas encontra-se o tradicional passeio de Maria Fumaça.

No passeio entre Tiradentes e São João Del Rei, aliás, pode-se adquirir também a passagem em apenas um sentido, servindo de efetivo transporte para a população, não se configurando em um mero passeio turístico (em Passa Quatro – MG, por exemplo, o passeio consiste em ir até a divisa entre os estados de São Paulo e Minas Gerais, visitando o túnel que foi palco, na revolução de 1932, do último ato daquele evento que dividiu irmãos e entristeceu muitas famílias brasileiras).

Indubitavelmente, todas as pessoas se mostram simpáticas ao modal ferroviário. Isso é verdade. Por que, então, os responsáveis pela política de transporte no Brasil caminham tão ao largo da vontade popular?

Até quando nós, como nação, iremos fazer de conta que não sabemos que está nos trilhos a melhor solução para o transporte neste país continental? Até quando ficaremos inertes na cobrança dos políticos que elegemos, para que sejam pragmáticos na efetiva implantação de uma verdadeira malha ferroviária que atenda às necessidades da população, seja para carga, seja para passageiros?

Dezesseis anos. Esse é o tempo de expectativa que, particularmente, vivenciamos para a inauguração da estação Oscar Freire da Linha Amarela do metrô, por exemplo. No ano 2000 tivemos a oportunidade de elaborar um laudo de avaliação de uma das lojas objeto da desapropriação necessária à implantação da estação. Pois bem, o trem já circula, mas a estação, mesmo com a plataforma visível parcialmente, ainda está inoperante, com previsão para 2017.

Saindo de São Paulo pela rodovia Hélio Smidt, no sentido do aeroporto Governador André Franco Montoro, em Cumbica – Guarulhos, é desanimadora a visão dos pilares que sustentarão a via férrea que ligará São Paulo ao referido aeroporto, suplicando pela continuidade das obras completamente paralisadas aos olhos do público em geral.

Não importam as atividades de bastidores, eis que poucos são os que frequentam grupos ou instituições que discutem o transporte sobre trilhos, cabendo aos que são do setor a insistente divulgação da necessidade de o país deixar de ficar deitado eternamente em berço esplêndido. Às vezes cansa, é verdade, mas não desistiremos nunca!

Luis Edson de Castro Filho – Presidenteda ASSEF
Originalmente publicado na Revista SOBRETRILHOS – Ano 2 – Edição 6

 

sobretrilhos

Revista híbrida com abordagens jornalísticas e técnicas. A circulação é controlada e dirigida a todos os segmentos de transporte de passageiros e logística. Aposta-se em uma linha editorial que vá além dos trilhos, trazendo informações e conceitos sobre infraestrutura, intermodalidade, urbanização e cidades inteligentes.

Top