Informação e Mobilidade

ANTP comemora 40 anos em seu 21º Congresso

ANTP comemora 40 anos em seu 21º Congresso

sobretrilhos-antp-logoO futuro da mobilidade urbana. Tendências e Apostas

A ANTP completa 40 anos durante o 21º Congresso (fundada em 30 de junho de 1977). Durante quatro décadas ela foi uma importante protagonista na luta pelo avanço e modernização dos transportes públicos urbanos no Brasil. Nascida sob os efeitos mundiais da crise internacional do petróleo de 1973, a ANTP viu aflorar no país órgãos estatais, paraestatais e privados como decorrência natural do necessário enfrentamento à crise, que bateu pesado no transporte público, urbano e suburbano. O que se viu naqueles primeiros anos foi uma explosão de estudos com foco no transporte de massa por conta do alto preço do petróleo.

Numa época em que a internet era algo sequer sonhado, foi nos Congressos, seminários e Comissões Técnicas da ANTP que a participação de técnicos e especialistas encontrou espaço rico para a troca de experiências e para a difusão do conhecimento. Como exemplo dessa ebulição técnica no decorrer dos anos 70, podemos citar o surgimento da CET – Companhia de Engenharia de Tráfego de SP (criada pelo prefeito Olavo Setúbal em 1976), o início dos programas de transferência de tecnologia entre os metrôs brasileiros e estrangeiros, o espalhamento pelo país de ricas experiências em modelos de ônibus como o trólebus, a partir do programa Sistran.

Passados 40 anos, a ANTP quer usar o espaço do Congresso para propor um debate entre seus principais fundadores e colaboradores: qual o futuro da mobilidade, no país e no mundo, e como poderemos contribuir? Como lidar com as novas tecnologias, colocando-as a serviço da melhoria do transporte urbano, num país em que as cidades estarão cada vez mais populosas? A sessão “O futuro da mobilidade urbana. Tendências e Apostas” terá esta missão, e acontecerá logo no primeiro dia do Congresso (28 de junho), na sequência da solenidade de abertura.

Investimentos privados no setor metroferroviário dependem de padronização tecnológica

O transporte metroferroviário é um serviço público com forte inserção nas grandes cidades. De cunho social e ambiental, ao mesmo tempo em que desloca grande número de pessoas e estrutura o transporte urbano, os sistemas sobre trilhos têm importância destacada na questão ambiental, ao promover a redução das emissões atmosféricas e da poluição sonora, graças à utilização de fontes energéticas renováveis.

Apesar de sua importância inegável, o setor convive com a falta de investimentos públicos, uma situação incompreensível diante de cidades e regiões metropolitanas que crescem e se desenvolvem rapidamente. Os sistemas de trilhos sofrem não apenas diante da falta de planejamento, como de estímulos a investimentos voltados à manutenção e à modernização dos atuais sistemas em operação.

A Sessão “Investimentos privados no setor metroferroviário dependem de padronização tecnológica”, como o próprio nome sugere, pretende discutir o que falta para melhorar a atração de investimentos privados para o setor. Sob o ponto de vista de custo, no entanto, o transporte de massa sobre trilhos precisa ser necessariamente percebido como um “negócio”. E como tal precisa de um produto que seja “vendável”, seja nos padrões de estação e na tecnologia utilizada – hoje sobrevivem vários padrões de material rodante no sistema de trilhos numa mesma cidade.

Numa mesa que será moderada por Roberta Marchesi, Superintendente da ANPTrilhos, convidamos para o debate Rodolfo Daniel Gonzalez, Diretor do Metrô Bahia; Paulo Sérgio Meca, Diretor de Engenharia do Metrô/SP; Oberlan Moreira Calçada, Diretor de Suprimentos da SuperVia e Cristiano Lopes Saito, Business Development Director da ALSTOM.

Código de Trânsito e o papel dos Detrans: 20 anos depois é preciso mudar. Como?

O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) está completando 20 anos de existência. Tramitando no Congresso Nacional, o Projeto de Lei 8.085/14, que visa atualizar o Código diante das mudanças por que passou o Brasil em duas décadas, tem concentrado os debates em várias cidades em seguidas audiências públicas, coletando sugestões e ideias da sociedade.

Apesar de contar com maior estrutura de fiscalização, as grandes cidades brasileiras têm sofrido por causa do trânsito. Na outra ponta milhares de pequenas cidades apresentam índices de fatalidades assustadores, sem organização de trânsito, policiamento, ou sequer registro confiável de acidentes.

O apelo dos Detrans é de que o CTB seja modernizado. Mais que isso, defendem que questões atuais e urgentes sejam respondidas. Como agilizar os processos administrativos? Como ampliar a fiscalização? Como lidar com a municipalização de trânsito, tema que está no centro deste processo?

Para expressar e debater as grandes preocupações dos Detrans, reuniremos numa sessão especial autoridades e especialistas para dissecar o assunto.  Previstos para participar do debate estão os presidentes dos Detrans de São Paulo – Maxwell Borges de Moura Vieira; do Rio Grande do Sul, Ildo Mário Szinvelski; de Alagoas, Antonio Carlos Freitas Melro de Gouveia; e o diretor do Denatran, Elmer Coelho Vicenzi.

Ministério das Cidades: situação de projetos em andamento e novos investimentos

Como estão os programas de apoio a projetos de mobilidade do Ministério das Cidades? Participando recentemente da reunião do Fórum Nacional de Secretários, em Brasília, José Roberto Generoso, Secretário Nacional de Mobilidade Urbana – Semob, anunciou uma verba de R$ 3 bilhões, com prioridade para projetos municipais que tenham como foco o aumento da velocidade dos ônibus urbanos. A novidade anunciada pela Semob foi a inclusão de recursos para que os municípios possam executar seus planos de Mobilidade Urbana (exigência da Lei federal), como também para a elaboração de projetos e gerenciamento de obras, incluindo ainda, de forma inédita, custos com desapropriações.

O programa “Avançar”, a ser anunciado pelo Governo Federal, disporá de R$ 59 bilhões em recursos previstos até o fim de 2018, boa parte a ser investida no setor de transportes. Estão ainda nesse bolo de recursos R$ 15,7 bilhões que serão aplicados em habitação, saneamento, defesa civil e mobilidade urbana, incluindo projetos de urbanização.

O recente PAC da Mobilidade enfrentou problemas constantes, como o vai e vem de decisões, a burocracia e a falta de projetos de estados e municípios. Como enfrentar e superar esses gargalos? Para discutir esses assuntos, criamos a sessão “Ministério das Cidades: situação de projetos em andamento e novos investimentos”, com a presença confirmada, até agora, de José Roberto Generoso, da Semob; Willian Aquino, engenheiro de transportes da Sinergia Estudos e diretor da ANTP no Rio de Janeiro; Fábio Rios Motta, Secretário Municipal de Mobilidade de Salvador e atual presidente do Fórum Nacional de Secretários, e Marcos Bicalho dos Santos, Diretor Administrativo e Institucional da NTU – Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano.

Bonde a Pé: como ir a pé para o 21º Congresso de forma agradável

No 21º Congresso Brasileiro de Transporte e Trânsito você poderá ir caminhando de forma agradável e sustentável. Participe desta oportunidade e embarque no “Bonde a Pé”, uma maneira coletiva de caminhar. Veja as datas e horários dos Bondes. Inscreva-se!

Lembrete importante:
22 de maio é o prazo final para entrega dos textos das Comunicações Técnicas.
O trabalho final deverá ser enviado para: comunicacoestecnicas@antp.org.br
Orientações para formatação das Comunicações Técnicas
Visite o site oficial do 21º Congresso e saiba mais sobre o que está sendo preparado para este grande evento

 

 

sobretrilhos

Revista híbrida com abordagens jornalísticas e técnicas. A circulação é controlada e dirigida a todos os segmentos de transporte de passageiros e logística. Aposta-se em uma linha editorial que vá além dos trilhos, trazendo informações e conceitos sobre infraestrutura, intermodalidade, urbanização e cidades inteligentes.

Top